OVNIS ONTEM , NA BUSCA DA VERDADE

O caso Westendorff e a relação entre avistamentos de óvnis e cultura popular

Popularidade da série de TV Arquivo X coincidiu com surto de avistamentos de óvnis (Foto: reprodução)U
m leitor perguntou, há algum tempo, o que eu acho do “caso Westendorff”: o relato, feito em 1996, por um empresário e piloto de avião brasileiro, Haroldo Westendorff, do avistamento de uma gigantesca pirâmide flutuante sobre a Lagoa dos Patos, no Rio Grande do Sul.
Confesso que não sabia nada a respeito. Mas depois, pesquisando o assunto, cheguei a uma série de documentos sobre discos voadores liberados no Arquivo Nacional pela Força Aérea Brasileira, além de encontrar alguns vídeos históricos no YouTube.
Em entrevista, dada na época dos acontecimentos, à revista IstoÉ, Westendorff disse: “O objeto tinha uma base do tamanho de um estádio de futebol (...) e de 50 a 60 metros de altura. Ele tinha a forma de um cone”. Falando em 1998 ao apresentador de TV Carlos Roberto Massa, o “Ratinho”, Westendorff disse que podia precisar a altura do objeto em “exatamente ” 70 metros.
Na reportagem publicada pela IstoÉ, afirma-se que a presença do cone voador foi confirmada visualmente por operadores do aeroporto de Pelotas. Um deles, Gilberto Martins dos Santos, é citado pela revista dizendo que o objeto tinha “o tamanho de uma torre de alta tensão”.
A Ratinho, Santos disse ter visto, por binóculo, algo estranho no céu, na direção apontada por Westendorff, mas que, por conta da grande distância, não podia “dizer que vi a mesma coisa que o Haroldo viu”, embora confirmando “uma forma piramidal”. “Não tínhamos definição de cor: era como se fosse uma sombra enorme no céu”, declarou. Um dado importante, citado na IstoÉ e reproduzido em relatos posteriores, é o de que o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA) de Curitiba foi acionado no ato, mas que os radares do centro, em perfeito estado de funcionamento, detectavam apenas o monomotor pilotado por Westendorff, e nada mais.
O relato do empresário prossegue com a descrição da abertura do topo do cone gigante, de onde ele viu partirem discos voadores e raios de luz. A revista afirmava, ainda, que o Ministério da Aeronáutica (pasta que deixou de existir com a criação do Ministério da Defesa, em 1999) realizava investigação sigilosa sobre o assunto.
Se essa investigação realmente existiu, continua sigilosa: não só não parece haver nenhum documento oficial sobre o caso Westendorff entre os papéis sobre óvnis liberados no Arquivo Nacional – onde só aparecem vários recortes da mídia da época, um deles sendo o da reportagem da IstoÉ – , como um relatório estatístico do Comando da Aeronáutica sobre avistamentos de óvnis no Brasil, cobrindo o período de 1954 a 2001, não contabiliza nenhum caso no sul do Brasil em outubro de 1996, mês e ano dos eventos relatados pelo empresário.
O que tirar disso tudo? A primeira conclusão – e talvez a única completamente honesta – é de que ninguém sabe, mesmo, na lata, o que Haroldo Westendorff viu sobre a Lagoa dos Patos naquele dia. Mas, humanos que somos, gostamos de especular.
Então: a descrição de Gilberto Santos, de que o objeto parecia uma sombra, e a ausência de registro em radar sugerem algo sem muita substância. Quem sabe, uma nuvem gigantesca de formato exótico, iluminada de modo peculiar pelo sol? Mas, se foi isso, por que o piloto interpretaria uma nuvem como uma pirâmide espacial?
A estatística sobre óvnis do Comando da Aeronáutica contém dois picos pronunciados: nos anos de 1977-78 (onde concentram-se 22,3% de todos os casos registrados entre 1954 e 2000) e nos de 1996-97 (18,27%). Juntos, os dois biênios somam mais de 40% do total de casos anotados em 46 anos. Curiosamente, em 1977 estrearam nos cinemas Guerra nas Estrelas e Contatos Imediatos de 3º Grau; já os anos 96-97 viram explodir a popularidade da série de TV Arquivo X no Brasil, onde vinha sendo exibida desde 1994, outro ano que concentrou uma grande proporção de avistamentos (6,5%).
Esta correlação entre cultura popular e avistamentos aponta para um fenômeno psicológico chamado viés de disponibilidade: quando somos confrontados com uma ocorrência que requer explicação, tendemos a aplicar a ela o que estiver mais disponível, mais “à mão” em nosso repertório mental. Numa época saturada por narrativas sobre invasores alienígenas e naves espaciais, nada mais natural que descrever coisas estranhas, vistas no céu, como objetos vindos de outros mundos.