OVNIS ONTEM , NA BUSCA DA VERDADE

Enquanto NASA pensa sobre lua de Júpiter, cientistas aperfeiçoam método para encontrar ET

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de College London (UCL) desenvolveu um novo modelo de detecção de metano, que eles esperam irá provar que a vida extraterrestre existe sem a necessidade de água. Muito da procura por inteligência extraterrestre em andamento foca na descoberta de água e a investigação se formas de vida poderiam sobreviver, mas este novo desenvolvimento poderia expandir grandemente os possíveis lugares onde seres microscópicos podem estar prosperando.+
Os cientistas despenderam décadas procurando por sinais de água no espaço e por qualquer vida que possa existir ao seu redor.  A mera presença de traços de água em Marte já levantou muitas curiosidades, com os pesquisadores racionalizando que, já que a Terra nasceu da água, seria plausível que tal evento ocorresse em outros locais.  Mas em recentes anos os pesquisadores começaram a especular se os planetas na assim chamada ‘zona habitável de metano líquido’ poderiam abrigar alienígenas, sem a necessidade de água para sua sobrevivência.+
Anteriormente, os astrofísicos disseram para o site Space.com que nesta zona “haveria uma temperatura de -179 ºC entre 0,63 e 1,66 unidades astronômicas (99 milhões a 248 milhões de quilômetros) ao redor da estrela Gliese 581, uma anã vermelha do tipo M3, localizada a 20,5 anos luz daqui“.+
O Professor Jonathan Tennyson da UCL, co-autor do estudo, espera construir em cima deste alicerce, com um novo modelo computacional que poderia detectar a vida em planetas fora de nosso sistema solar “mais precisamente do que antes“, através da detecção de moléculas de metano a temperaturas de até 1.220 º Celsius.+
Modelos atuais de metano são incompletos, levando à uma subestimação severa dos níveis de metano nos planetas“, disse ele durante uma declaração da universidade para repórteres.  “Esperamos que o nosso novo modelo tenha um grande impacto no estudo futuro dos planetas e estrelas ‘frias’ externas ao nosso sistema solar, potencialmente ajudando aos cientistas na identificação de sinais de vida extraterrestre.+
O Dr. Sergei Yurchenko, autor líder to trabalho, disse que os supercomputadores da UCL trabalharam através de “bilhões de linhas” de código computacional para a formulação de um novo modelo, o qual demorou um estimado 3 milhões de horas de processamento central para ser completado.+
Estamos entusiasmados em ter usado esta tecnologia para avançar significativamente além dos modelos anteriores disponíveis para os pesquisadores que estudam a potencialidade de vida em objetos astronômicos, e estamos ansiosos para ver o que nosso novo espectro ajudará a descobrir“, disse Yurchenko na mesma declaração, como revelado pelo Weather Network.+
Esta empolgante atualização ocorre, enquanto os cientistas da NASA continuam a investigar a viabilidade de enviar uma missão robótica até Europa, a lua de Júpiter, na qual acredita-se que contenha mais água líquida do que todas as águas da Terra combinadas.  Poderá demorar quase três anos para uma sonda chegar até Europa, e com um custo estimado de US$ 4,7 bilhões, poderia ser difícil de convencer o pagador de impostos estadunidense que o investimento vale a pena.  Bill Nye, o ex apresentador e proeminente porta-voz da comunidade científica, disse ao National Geographic que se a astrofísica for capaz de ir a tais profundidades no espaço, as possibilidades são infinitas.+
Pense só no que isto significaria, se pudéssemos encontrar uma coisa viva em um géiser de água marinha em outro mundo“, escreveu Nye recentemente.  “Cada um de nós aqui na Terra pararia e pensaria sobre o significado de ser uma coisa viva.  Eu espero que isso nos preencha com reverência pelo cosmos e pelo nosso lugar dentro dele.  Uma missão até Europa uniria a humanidade – e talvez mudaria o mundo”.