OVNIS ONTEM , NA BUSCA DA VERDADE

Ainda sobre Ets, Ufos, Ovnis – Outras Reflexões ( PUBLICADO POR ROBERTO PINEDA )

Há ainda outro aspecto que estou investigando através de minhas projeções:

Já observei em algumas experiências, que no subsolo da terra, a grandes profundidades, há vestígios de civilizações antigas, prédios e construções.
 Em uma experiência encontrei uma aranha gigantesca petrificada, que deve ter existido em tempo muito remoto.
vide relato denominado “ARANHA GIGANTE” no link
De onde surgiu tanta terra cobrindo tais civilizações?
Teriam ocorrido grandes terremotos cobrindo tais cidades?
Seriam erupções vulcânicas?
Parece-me que não, pois há indícios (teoria minha) de que a humanidade evolui por camadas de sutilização, ou seja, na medida em que a humanidade vai evoluindo, ao longo dos séculos, milênios, ela iria passando de forma gradual e imperceptível para uma camada ou plano mais sutil.
Claro que num primeiro momento, nossas mentes físicas limitadas a certos condicionamentos, às vezes, têm dificuldades em assimilar, como é possível a existência de grandes regiões, colônias, cidades e edifícios fora da crosta terrestre.
Ainda dentro desta teoria; imaginemos, por exemplo, que habitantes de outros planetas pudessem vir a terra com seus corpos físicos…
Se considerarmos que eles possuíssem a forma um pouquinho mais densa que a nossa, talvez eles não enxergassem um planeta azul e habitado, mas enxergariam apenas o interior de nosso planeta, que poderia lhes parecer deserto. Ou seja, talvez enxergassem apenas um planeta rochoso, ou de lava incandescente, tal qual, deve ser o interior de nosso planeta.
  Pois o mais sutil enxerga o mais denso; entretanto o mais denso geralmente não enxerga o mais sutil.
  Será que não é mais ou menos isto que ocorre ao observamos os planetas de nosso sistema solar?
  Será que não os percebemos inóspitos e desabitados, devido enxergarmos apenas o seu plano mais denso, ou seja, o interior de tais planetas?
  Já estive também, durante algumas experiências, em planetas que me pareceram próximos, pertencentes talvez ao nosso sistema solar e todos densamente povoados (e com seres de aparência humana).
Em experiências projetado no espaço, fora da terra, já observei que se sutilizarmos mais ainda nosso estado, podemos observar que o universo é densa e compactamente povoado, com seres que interagem entre si, como se fossem um gigantesca fraternidade universal.
  Isto indica, talvez, que as camadas de sutilização que rodeiam os planetas em determinado momento devem interagir ou interligar-se entre si.
  Daí se conclui que não há planetas desabitados; pelo contrário, são povoados, assim como todo o universo, onde parece que não há espaços vazios ou inúteis.
  E pelo que tenho percebido todos estes seres interagem entre si, com a aparência humana.
Por outro lado, parece-me proposital este enorme distanciamento entre sistemas e galáxias (medidos em anos luz de distancia), pois os encarnados só conseguiriam atingi-los através de uma sutilização de seu estado, a qual certamente implicaria em seu desenvolvimento espiritual (leia-se: desenvolvimento ético, moral, perceptivo, consciencial, etc.)
Pela mesma razão, talvez seja proposital que nenhuma tecnologia consiga transportar um corpo denso, a distancias tão grandes, através de supostas naves ou “discos voadores”
No meu relato denominado “SEM RUMO NO ESPAÇO” que poderá ser lido em
Há um exemplo claro das dificuldades de locomoção em distancias tão grandes; mesmo usando um corpo astral, supostamente de potencial muito superior a qualquer eventual tecnologia física
 O conhecimento humano AVANÇA
Hoje em dia, por exemplo, qualquer pessoa, ou pelo menos, muitas delas, sabem que nos mares e oceanos não existem monstros marinhos, polvos gigantes, etc.
Não precisamos “filtrar cada litro de água do oceano” para saber
Anteriormente não era assim…
Muitos navegantes tinham medo de saírem por águas desconhecidas por acreditarem que o oceano era imenso e que devia ter, conforme “boatos” e “ouvi dizer”, muitos monstros e perigos
Havia até “relatos fantasiosos” de avistamentos e encontros com estes monstros
Ainda bem que alguns navegantes foram aos poucos se arriscando e descobrindo
Quem sai mais, mais vê, descobre e percebe
Não é fácil, mudar ideias profundamente arraigadas
Veja, por exemplo, o que acontece na Internet:
Muitos colegas projetores e pesquisadores não indicam meu site em suas páginas e links… No entanto indicam sites há anos desatualizados e com pouquíssimas informações
Ainda bem que as coisas MUDAM